Carros elétricos e híbridos são uma realidade em países da Europa, Japão e Estados Unidos. Mas e no Brasil?

Seremos apenas testemunhas dessa revolução automobilística, ou participaremos como os protagonistas que sempre fomos no mercado automobilístico global?

Sem grandes incentivos, o mercado de Elétricos e Híbridos caminha devagar, a popularização dos elétricos no Brasil ainda deve demorar para acontecer, mas os primeiros passos nesse sentido já começaram a ser dados.

Apesar das vendas de carros elétricos e híbridos no Brasil serem uma fração do total comercializado no país, os licenciamentos destes modelos triplicaram entre 2016 e 2017. As vendas subiram de 1.092 unidades em 2016 para 3.296 no ano passado, disse Ricardo Guggisberg, presidente da ABVE..

“O volume de vendas atual é pequeno demais para (a redução do IPI) afetar a arrecadação do governo”, disse o presidente da ABVE.

A associação de montadoras de veículos do Brasil, Anfavea, defende o desenvolvimento tecnológico do país, mas sempre quando é questionada a respeito pondera que o Brasil precisa aproveitar a tecnologia do etanol como alternativa de eficiência energética e de controle de emissão de poluentes.

O ano de 2017 representou um divisor de águas: foram vendidos cerca de três vezes mais que em 2016 inteiro, de acordo com dados divulgados pela Anfavea.

A Toyota apresentou no dia (19/3), em São Paulo, o protótipo de seu Prius elétrico híbrido flex movido a etanol – o primeiro do mundo.

O anúncio foi no Palácio dos Bandeirantes, em cerimônia com o governador Geraldo Alckmin, o presidente da Toyota do Brasil, Rafael Chang e da Toyota América Latina e Caribe, Steve St. Angelo.

Segundo o fabricante, a novidade permitirá oferecer ao mercado um produto tecnologicamente viável para o comprador e livre de combustíveis fósseis.

O futuro esta aqui..